OBS de 22/09/2016: Queridos leitores, infelizmente o site Jornal |Jardins,teve um problema e as fot

Minha foto

Sou uma apaixonada pela vida, sem limites pra sonhar...
Sou determinada, e adoro as coisas simples da vida... Não gosto de nada mal resolvido, sou preto no branco,o cinza não me convence...Sou sincera e verdadeira e só gosto de me relacionar com gente assim...
Pessoas, que como eu, tem atitude pra mudar o que não está bom, não se conforma, nem se acomoda com o mais ou menos....Ou está bom, ou a gente faz ficar.
A FELICIDADE ESTA EM NOSSAS MÃOS E DE MAIS NINGUEM.
POR ISSO ACORDA MENINA.

sábado, 3 de abril de 2010

TRASH THE DRESS

Você já ouviu falar no “Trash the dress”?



Os casais ávidos por novidades estão apaixonados por esse novo estilo de fotos. Numa tradução não literal seria algo como “acabar com o vestido”, “vestido no lixo” ou algo neste sentido. Mas, diferente do seu significado, as sessões fotográficas de Trash the dress possuem um resultado surpreendente e encantam noivos e noivas.



 
Algumas fontes dizem que esta moda surgiu em 2001, em Las Vegas, com o fotógrafo de casamentos John Michael Cooper. No entanto, a idéia de destruir um vestido de noiva já havia aparecido em Hollywood em1998, no seriado Sunset Beach.



Trash the Dress é um grande movimento dos fotógrafos nos EUA. A proposta é simples: “Fotografia, ousadia e arte”. Fotografar a noiva (ou o casal) em lugares inusitados, onde normalmente ela jamais iria com seu vestido, sem medo de detoná-lo. O propósito disso é realizar um ensaio fotográfico diferenciado, dias depois da cerimônia, com a idéia de contrastar a elegância do vestido de noiva com ambientes inusitados e fora do padrão, como cenários exóticos e rústicos. Ou seja, fotografar onde uma noiva nem pensaria em ir com o seu lindo vestido branco. Geralmente, as noivas decidem fazer estas fotos na praia, mas os cenários são ilimitados: ruas da cidade, monumentos abandonados, telhados de edifícios, prédios abandonados, ferro-velhos, depósitos, pontes, florestas, fazendas, riachos, praias, cachoeiras, montanhas, plantações, parques, bosques, ruínas, entre outros, costumam resultar em fotos incríveis que os noivos não conseguiriam no estúdio ou em cenários mais tradicionais. O local escolhido para o ensaio deve permitir, de preferência, ambientes variados e inusitados. Uma praia com mata, por exemplo, ou uma fábrica abandonada com um lago por perto. O elemento água é importante, pois, em geral, o “Trash the Dress” termina com o vestido molhado. O ideal é justamente não fazer em um lugar bonitinho, como um caminho de flores, uma fazendinha com cerquinha. Não! Definitivamente não! Aqui a proposta são fotos no mato, com árvores caídas e folhas secas.



O fotógrafo catarinese Anderson Miranda é o pioneiro desse tipo de ensaio fotográfico aqui no Brasil, e tem a seguinte proposta: Por que deixar seu vestido de noiva estragando no armário? Por que não fazer lindas fotos e tê-las para sempre como bela recordação de um momento mais que especial? Que tal fazer um belo ensaio fotográfico depois do casamento, em uma locação exótica, sem medo de estragar seu vestido? A proposta do Trash The Dress é ousar, colocar seu vestido em risco! A ideia é não se preocupar com o estado que o vestido de noiva vai ficar, mas se estragar o vestido de noiva parece impensável para você, dependendo do ensaio que você fizer, o vestido pode ficar apenas molhado ou sujo, e não necessariamente detonado.



A sessão normalmente acontece depois do casamento, porque o casal já está mais relaxado e até mais inspirado e isso fica visível nas imagens muito mais espontâneas. É a hora que o casal está com a aquela sensação de que podem fazer tudo que não puderam fazer no grande dia. Aí estão livres para deitar no chão, rolar na grama, caminhar na lama de pés descalços, mergulhar na água. E o resultado de tanta liberdade é maravilhoso!



Se engana quem pensa que as fotos são um ‘lixo’, pelo fato da tradução literal, pois a versão da proposta adotada no Brasil não costuma ser radical ao ponto de não sobrar nada do modelito. No Brasil há uma flexibilidade maior, aqui a noiva não destrói o vestido, apenas não tem medo de sujar e molhar, o que faz com que possa ser feito perfeitamente com um vestido alugado.




Como nos books de praia ou de campo, para o ensaio do Trash the dress funcionar com naturalidade, exige uma certa ousadia tanto da noiva quanto do noivo, pois quem topa fazer o ensaio precisa estar disposto a se soltar. Pois, mais que um complemento às fotos do casamento, o Trash The Dress é um momento de descontração e cumplicidade do casal.



O resultado final do Trash the Dress normalmente é apresentado em um álbum de fotos separado, complementar ao álbum de casamento, em formato de álbum livro. Quem já casou, mas ainda guarda o vestido de noiva também pode aderir à ideia.


Para que sua sessão de Trash the dress saia perfeita, segue algumas dicas especiais:

- Deixe claro para o fotógrafo que estilo de fotos vocês preferem. Sensuais? Romântica? Ousadas? Inusitadas? O importante é se divertir e ficar bem a vontade nessa sessão.

- Se você não é aventureira e não se sentir a vontade com o tipo de foto e local escolhido, é melhor nem arriscar, pois a falta de naturalidade ficará muito clara nas fotos. Opte pelo book mais tradicional.
- Dependendo do local escolhido e do estilo de fotos que a noiva escolher, o vestido poderá voltar apenas sujo ou praticamente destruído. Se o vestido for alugado, é importante deixar bem claro no contrato que participará de uma sessão de trash the dress. Diferente dos clips de praia tradicionais, a idéia é que a sessão seja feita após o casamento e com o próprio vestido do casamento.

- Lembre-se que se você entrar no mar, você deve usar uma maquiagem a prova d’água. Se a sessão de fotos for em uma mata, plantação ou fazenda, não esqueça de levar repelente de insetos.

- Façam primeiro as fotos menos ousadas, e em locais secos. Deixe os locais molhados e fotos mais aventureiras para o final da sessão.

- Lembre-se que os locais escolhidos para esse tipo de sessão normalmente são ermos e sem estrutura. Por isso, preparem suprimentos de água e lanches para vocês e a equipe que vai acompanhá-los. Além disso, levem roupas secas e calçados para trocar no final.

Mas, a dica principal é ficar a vontade e se divertir. O entrosamento entre o casal e com o espaço é que vai refletir em belíssimas fotos!



No site www.trashthedress.com.br você poderá apreciar as fotos de Anderson Miranda, renomado fotógrafo de casamentos, premiado internacionalmente, precursor do Trash the dress no Brasil, com trabalhos realizados aqui e na Europa. Suas imagens reúnem bom gosto, arte e descontração em locações especiais e inusitadas escolhidas juntamente com o casal.


Essa pós-modernidade tem umas coisas muito interessantes mesmo… Agora a onda é quebrar todos os valores e deixar o que é tradicional. Alguém topa fazer um ensaio assim?


Fonte: http://blogs.opovo.com.br/noivas/categorias/fotografia/