OBS de 22/09/2016: Queridos leitores, infelizmente o site Jornal |Jardins,teve um problema e as fot

Minha foto

Sou uma apaixonada pela vida, sem limites pra sonhar...
Sou determinada, e adoro as coisas simples da vida... Não gosto de nada mal resolvido, sou preto no branco,o cinza não me convence...Sou sincera e verdadeira e só gosto de me relacionar com gente assim...
Pessoas, que como eu, tem atitude pra mudar o que não está bom, não se conforma, nem se acomoda com o mais ou menos....Ou está bom, ou a gente faz ficar.
A FELICIDADE ESTA EM NOSSAS MÃOS E DE MAIS NINGUEM.
POR ISSO ACORDA MENINA.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

DONA REMY, COZINHEIRA DAS ESTRELAS

Sua biografia conta histórias de uma infância difícil na cidade de Curvelo no interior do Estado de Minas Gerais, e de sua adolescência trabalhando para diversas autoridades políticas, como os Ex-presidentes  Juscelino Kubitscheck e Jânio Quadros.
Mas foi no final da década de 60 quando ela foi para os Estados Unidos trabalhar para o músico Sergio Mendes que ela chegou a conhecer as figuras mais ilustres e influentes no mundo do entretenimento.

Por intermédio de Sérgio Mendes ela conheceu muitas celebridades. Depois de trabalhar com Sérgio ela trabalhou para Dick Martin. Foi ai que ela començou a conhecer mais celebridades até chegar ao ponto de conhecer e trabalhar para Sidney Poitier, Quincy Jones, Elizabeth Taylor, Paul McCartney, Dick Van Dyke, Yul Brynner, Kirk Douglas, Bill Bixby e Harrison Ford que tinha uma admiração especial pelo cafezinho preparado por ela.

Exímia cozinheira, ela conquistou o paladar de estrelas como nada menos que o eterno “Blue Eyes”, Frank Sinatra, ela nos conta que após saborear uma galinha preparada por ela, ele a telefonou e ao atender ele começou a cantar. Quantos de nós tivemos na vida a oportunidade de ouvir “The voice” cantar e ainda mais no “pé do ouvido”? Diria que poucos, mas Dona Remy teve esse privilégio. Ou quem já foi ajudada (o) por Paul McCartney na cozinha a lavar a louça? Ou quem já pôde dar conselhos de como se tratar uma dama (no caso Elizabeth Taylor) ao astro pop Michael Jackson? Dona Remy com toda sua simplicidade, mas com muita perspicácia  fez isso... e são essas histórias que ela gostaria de contar em um longa, esse convívio com essas celebridades que muitos gostariam de ter conhecido ou de conhecer pessoalmente, e são estas as historias que ela conta na sua biografia.

Dona Remy conviveu com o “Rei do Pop”, Michael Jackson, pelo qual tinha uma afeição maternal e ele um carinho todo especial por ela.

Referente a seu relacionamento com ele, ela nos relata coisas interessantes como quando contava estórias para ele comer:

“Ele ria porque pensava que eu achava que ele era criança. Então, ele se fazia de criança e eu aproveitava para dizer que ele era o meu bebê. Eu dizia que ele tinha que comer comida, senão mamãe ficava muito triste. Ele ria e comia a comida"

"Conheci ele porque ele não comia qualquer comida. Ele gostou da minha comidinha. Os pratos preferidos dele eram sandir e melancia. Ele amava melancia. Também fazia feijão preto, claro, com arroz. E ficava vigiando ele, contando história para ele comer sem perceber", conta dona Remy.

Depois que tomou conta do estômago de Michael, Dna Remy arriscou até palpite em coreografia. "Eu disse que quando ele terminava 'She is out of my life' ficava silêncio. Disse para ele bater com o microfone, para as pessoas que estavam em silêncio, tremendo, prepararem o corpo para o grito ser bem alto.

Ele aceitou a dica. No outro dia, no primeiro concerto, ele se jogou, rolou no chão bonitinho, com uma expressão incrível. E quando chegou lá, disse meu nome, deu um grito como quem quis dizer que ia bater o microfone. Até eu pulei e por pouco não caí lá de cima", conta Dna  Remy.

Tão perto do artista, não teve como não perceber. "Não dava para ver a alegria dele porque a tristeza não permitia", diz.

Ao longo de quase duas décadas de convivência, a brasileira testemunhou como era frágil a saúde de Michael Jackson. "Ele não tinha forças nas pernas, estava muito fraquinho. Debilitado, sem alimento", diz ela.

Michael Jackson era uma pessoa divina para trabalhar junto. Cavalheiro, compreensível, paciente, divertido, tímido e muito humano”.


Apesar de conquistar todas estas estrelas, Dona Remy tem e quer realizar mais dois sonhos; um livro contando toda esta estrada de vida com suas receitas e um programa de culinária, que tem como acompanhamento uma boa música e disto ela entende bem!


Dona Remy, Cozinheira das Estrelas está no Brasil para passar o Ano Novo e fica em São Paulo de 05 a 07/01.


foto: divulgação

fonte:
Débora Barros
Assessoria de Comunicação - Produção (rádio/tv)
(11) 8266-5060