OBS de 22/09/2016: Queridos leitores, infelizmente o site Jornal |Jardins,teve um problema e as fot

Minha foto

Sou uma apaixonada pela vida, sem limites pra sonhar...
Sou determinada, e adoro as coisas simples da vida... Não gosto de nada mal resolvido, sou preto no branco,o cinza não me convence...Sou sincera e verdadeira e só gosto de me relacionar com gente assim...
Pessoas, que como eu, tem atitude pra mudar o que não está bom, não se conforma, nem se acomoda com o mais ou menos....Ou está bom, ou a gente faz ficar.
A FELICIDADE ESTA EM NOSSAS MÃOS E DE MAIS NINGUEM.
POR ISSO ACORDA MENINA.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

“BRASIL É O PAIS QUE MAIS LAVA AS MÃOS”

Pesquisa mostra como fatores como educação, cultura e traços de personalidade impactam na higiene das pessoas e, como conseqüência, na saúde contra infecções

O estudo foi conduzido pelo Global Hygiene Council em parceria com a London School of Hygiene and Tropical Medicine. O Brasil foi apontado como o país com menor frequência de doenças infecciosas, como diarréia e resfriados.

O “Estudo Dettol: Determinantes dos Hábitos Mundiais de Higiene” (o patrocínio é da marca Dettol, da Reckitt Benckiser) foi feito entre janeiro e março de 2011 com cerca de mil participantes do Reino Unido, Canadá, Brasil, Estados Unidos, África do Sul, França, Alemanha, Malásia, Austrália, China, Índia e o Oriente Médio – Arábia Saudita e Emirados Árabes – que responderam a um questionário com 130 perguntas sobre higiene.
Entre os resultados, está a média global de pessoas que lavam as mãos mais de 5 vezes por dia: 54% da população dos países. Brasil e Alemanha são apontados como os países mais higiênicos domundo. China e Malásia tiveram os índices mais baixos. Na China, apenas 27,5% da população relatou lavar as mãos mais de 5 vezes por dia.
As mulheres tendem a ter melhores hábitos de higiene pessoal (59,5%) que os homens (44,5%), e o índice aumenta com a idade, com o nível de renda e educação. Os hábitos de higiene também variam de acordo com a ocupação: donas de casa apresentaram maiores de higiene pessoal (64,5%), enquanto estudantes mostraram os piores índices (44.5%). Outro dado da pesquisa é que pessoas organizadas em seu cotidiano são mais higiênicas do que as desorganizadas.
Os índices de boa higiene pessoal estão associados a resultados de baixa ocorrência de gripes e diarréia. Em particular, a rotina de lavar as mãos e a percepção deste hábito como uma norma social estão altamente associadas com os mais baixos índices reportados de ocorrência dessas infecções.
Apresentação: Dr. John Oxford, Virologista do Hospital Real de Londres e Diretor da Retroscreen Virology (UK); Presidente do Global Hygiene Council

 FOTOS DOS ESPECIALISTAS QUE PARTICIPARAM DO EVENTO.
Giuliana Durigon, Priscila Maximino, John Oxford, Vera Melis Paolillo e Tobias Rabello.

foto Brasil:
Calu Machado