OBS de 22/09/2016: Queridos leitores, infelizmente o site Jornal |Jardins,teve um problema e as fot

Minha foto

Sou uma apaixonada pela vida, sem limites pra sonhar...
Sou determinada, e adoro as coisas simples da vida... Não gosto de nada mal resolvido, sou preto no branco,o cinza não me convence...Sou sincera e verdadeira e só gosto de me relacionar com gente assim...
Pessoas, que como eu, tem atitude pra mudar o que não está bom, não se conforma, nem se acomoda com o mais ou menos....Ou está bom, ou a gente faz ficar.
A FELICIDADE ESTA EM NOSSAS MÃOS E DE MAIS NINGUEM.
POR ISSO ACORDA MENINA.

domingo, 14 de abril de 2013

O CARISMA INFANTIL DE GIOVANNA BABY

Há mais de 30 anos, a suave fragrância de Giovanna Baby vem marcando presença na infância de milhares de brasileiros. Mesmo depois das diversas batalhas judiciais pelo controle da marca
Quem foi criança entre as décadas de 1970 e 1990 deve ter guardado em algum lugar na lembrança – e num cantinho especial do coração –, a recordação das maravilhosas lojas cor de rosa e o doce aroma de lavanda, que caracterizavam a fragrância da marca Giovanna Baby.
Nos anos 1970, a empresária Giovanna Kupfer, então casada com Luiz Kupfer, tinha três filhas e muita dificuldade para encontrar roupas infantis que fossem bonitas e de qualidade. Passou a desenhar e confeccionar as vestimentas das meninas em casa, o que lhe rendeu diversos elogios e despertou o interesse das outras mães que se encantavam com o bom gosto dos modelos e a qualidade dos  materiais.
 Assim surgiu Giovanna Baby, marca que começou com a venda de roupas infantis.
Tais atributos, somados ao ambiente lúdico e mágico criado pelos Kupfer em seus pontos de venda, fizeram a Giovanna Baby decolar, alcançando a marca de 28 lojas próprias e 700 franquias, chegando a ter, inclusive, um espaço dentro da sofisticada Bergdorf Goodman na Quinta Avenida, em Nova Iorque, além de também ser comercializada nas Lojas Neiman Marcus, outro ponto requintado da Big Apple.

Doce cheirinho de infância
Giovanna não criou somente uma marca, criou um mundo mágico para crianças e outro luxuoso e sofisticado para as mães. Entretanto, faltava uma coisa para sua grife Giovanna Baby ficar completa: um aroma único. Com a criação de uma fragrância, a empresária não esperava disponibilizar somente mais um item em seu portfólio, mas também oferecer uma identidade olfativa à sua marca, tendo em vista que as lojas Giovanna Baby eram perfumadas com cheirinho de lavanda característico do perfume.

O perfumista Johanne Van Beem, da casa de fragrâncias Firmenich, apostou em uma suave e doce mistura de alecrim, lavanda, rosa, gerânio, sândalo, musk e baunilha, para criar uma fragrância que fosse a cara do momento mais encantador e delicado da vida, a infância. Giovanna contou com um orçamento apertado para desenvolver seu perfume. Por isso mesmo, engarrafou a fragrância em vidros standart de remédio, adornados com uma tampa de porcelana rosa, com rótulos colados a mão, um a um.

O dinheiro também foi pouco para a publicidade. Para divulgar o novo perfume, a empresária e um funcionário da loja Giovanna Baby dos Jardins, a primeira da marca, despejaram litros de perfume na calçada da loja, numa véspera de Natal. Quando o dia 25 nasceu, os moradores da região foram surpreendidos por um delicioso aroma de lavanda que vinha da maravilhosa loja cor de rosa.

O sucesso da fragrância foi diretamente proporcional ao crescimento da marca Giovanna Baby.  Em alguns anos, além de uma embalagem nova com formado do corpo de um bebê, a grife também ganhou novos produtos como cremes e shampoos, e chegou a ser a principal rival no mercado brasileiro da Johnson’s Baby, tradicional marca de cuidados infantis da Johnson&Johnson.

O fim do conto de fadas
A morte do empresário Luiz Kupfer, marido e parceiro de Giovanna na construção de Giovanna Baby, marcou a transição da história de Giovanna Kupfer de conto de fadas para uma briga na justiça. Isso, infelizmente, corroborou para a perda da força do nome Giovanna Baby e o fechamento das mais de 700 lojas da marca.
Depois de inúmeras batalhas judiciais, os Kupfer acabaram perdendo a marca Giovanna Baby. Ninguém sabe ao certo o que ocorreu, a versão da família é de que a assinatura de Giovanna teria sido forjada em  documentos que passariam a marca para Jacques Broder Cohen, na época, dono da empresa O Alquimista Cosméticos. Porém, existem rumores de que, logo após a morte do marido, Giovanna teria passado a marca para ele, que em seguida, a teria vendido para a Nasha Cosméticos, em 2001.

A idealizadora da marca se casou novamente e mudou para os Estados Unidos, onde abriu um spa na cidade de Nova York. Mesmo debilitada por conta dos diversos processos judiciais, a marca Giovanna Baby segue forte nas mãos da Nasha, que tem investido na ampliação da linha de fragrâncias, tendo como grande aliada, a força das recordações trazidas por Giovanna Baby.

foto: divulgação