OBS de 22/09/2016: Queridos leitores, infelizmente o site Jornal |Jardins,teve um problema e as fot

Minha foto

Sou uma apaixonada pela vida, sem limites pra sonhar...
Sou determinada, e adoro as coisas simples da vida... Não gosto de nada mal resolvido, sou preto no branco,o cinza não me convence...Sou sincera e verdadeira e só gosto de me relacionar com gente assim...
Pessoas, que como eu, tem atitude pra mudar o que não está bom, não se conforma, nem se acomoda com o mais ou menos....Ou está bom, ou a gente faz ficar.
A FELICIDADE ESTA EM NOSSAS MÃOS E DE MAIS NINGUEM.
POR ISSO ACORDA MENINA.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

26 DE SETEMBRO DIA NACIONAL DO SURDO

No dia 26 de setembro, celebra-se no Brasil o Dia Nacional do Surdo. A data foi instituída em 2008 para relembrar a luta dos deficientes auditivos por melhorias em sua qualidade de vida e inclusão na sociedade e conscientizar a população a respeito. O dia foi escolhido porque em 26 de setembro de 1857 foi fundado o Instituto Imperial de Surdos-Mudos do Brasil, a primeira escola para surdos do Brasil.
CAUSAS DA SURDEZ
Saúde: Problemas auditivos atingem 15% dos brasileiros
A fonoaudióloga Andréa Campos Varalta Abrahão, uma das idealizadoras da Direito de Ouvir, afirma que avanços importantes estão sendo feitos nessa área e alerta: quanto mais cedo se opta pelo uso do aparelho auditivo, menos o cérebro se ‘esquece’ dos sons e a adaptação é mais fácil
“Os problemas auditivos podem ter causas congênitas, podem ser adquiridos pela superexposição a ruídos ou mesmo surgirem em decorrência do avanço da idade”, explica Andréa.

Apesar de a presbiacusia – perda auditiva decorrente da idade – ser a principal causa de surdez, cerca de 30 a 35% das perdas auditivas em adultos são fruto da exposição a fontes de ruídos e sons intensos. “O uso de fones de ouvido com música alta, a poluição sonora e até o barulho do trânsito em grandes cidades podem provocar surdez”, alerta a fonoaudióloga. Já problemas como rubéola na gravidez, prematuridade, caxumba e otite são as principais causas de surdez em crianças. A fonoaudióloga explica que, além dessas, a otosclerose – patologia genética que acomete jovens adultos – também pode levar à perda auditiva.

“Colocar um aparelho auditivo precocemente é, hoje, a melhor saída. Isso porque, quanto mais tempo uma pessoa é privada dos sons, maiores as chances de esquecer-se dele, dificultando a adaptação ao aparelho auditivo. Atualmente, a tecnologia e a qualidade dos aparelhos são excelentes. Portanto, não há razões para que quem não consegue ouvir se isole”, esclarece.  

ALTERNATIVAS PARA O PROBLEMA

Apesar de a surdez atingir cerca de 15% dos brasileiros, segundo a Organização Mundial da Saúde, muitas pessoas ainda não sabem que existem alternativas bastante eficazes contra o problema. “Sempre digo que, entre 2005 e 2013, a medicina voltada para a audição evoluiu mais do que entre o século XIX e o início dos anos 2000”, afirma a fonoaudióloga , uma das idealizadoras da Direito de Ouvir, que se dedica ao tema há mais de uma década. A Direito de Ouvir é uma rede de franquias especializada em venda, manutenção e suporte técnico de várias marcas de aparelhos auditivos, pilhas e outros acessórios.

“Hoje, o Exame de Emissões Otoacústicas, conhecido como teste da orelhinha – que ajuda a detectar o problema precocemente – já é obrigatório em todos os hospitais e maternidades do país”, ressalta a especialista. Como, segundo a Sociedade Brasileira de Otologia (SBO), 20% das crianças em idade pré-escolar apresentam algum grau de deficiência auditiva não-identificada, essa é uma boa notícia. 

O SUS também disponibiliza próteses gratuitamente para quem necessita e o implante coclear, que é a colocação do aparelho direto na cóclea, para casos de perda profunda de audição. Medicações mais eficientes, antibióticos menos abrasivos e a evolução tecnológica das próteses também beneficiam quem tem o problema. “Hoje, recomenda-se a colocação da prótese logo que se percebe a primeira perda auditiva, para que o nervo auditivo mantenha-se estimulado e o cérebro não perca o registro e a memória dos sons. Isso facilita a adaptação”, explica Andréa.

O uso de Libras – Língua Brasileira de Sinais – também vem se popularizando. Uma lei de 2002, regulamentada em 2005, torna seu ensino obrigatório nos cursos de formação de professores para o exercício do magistério, em nível médio e superior, e nos cursos de fonoaudiologia, de instituições de ensino públicas e privadas, do sistema federal de ensino. Assim, o acesso a esse conhecimento se torna cada vez maior.

A Direito de Ouvir também pode ser considerada uma dessas iniciativas, já que facilita o acesso da população a aparelhos auditivos das mais diversas marcas e está presente em cerca de 300 cidades brasileiras.

Sobre a Direito de Ouvir

Fundada em 2005, a Direito de Ouvir foi idealizada pela fonoaudióloga Andréa Campos Varalta Abrahão e projetada pelo empresário Frederico Vaz Guimarães Abrahão, já com vasta experiência no segmento. “Ingressei no ramo de aparelhos auditivos montando a primeira assistência técnica da região. Enquanto Andréa adaptava o aparelho auditivo, eu dava manutenção”, revela o empresário.  

A empresa comercializa e faz manutenção em aparelhos auditivos de diversas marcas – o que possibilita uma melhor adaptação em cada caso –, além de oferecer acessórios, pilhas e produtos para limpeza e conservação dos aparelhos. Possui um laboratório próprio com técnicos especializados e oferece suporte completo aos pacientes e franqueados.

foto: divulgação
fonte:
http://sintoniasp.blogspot.com.br/2013/09/saude-problemas-auditivos-atingem-15.html