OBS de 22/09/2016: Queridos leitores, infelizmente o site Jornal |Jardins,teve um problema e as fot

Minha foto

Sou uma apaixonada pela vida, sem limites pra sonhar...
Sou determinada, e adoro as coisas simples da vida... Não gosto de nada mal resolvido, sou preto no branco,o cinza não me convence...Sou sincera e verdadeira e só gosto de me relacionar com gente assim...
Pessoas, que como eu, tem atitude pra mudar o que não está bom, não se conforma, nem se acomoda com o mais ou menos....Ou está bom, ou a gente faz ficar.
A FELICIDADE ESTA EM NOSSAS MÃOS E DE MAIS NINGUEM.
POR ISSO ACORDA MENINA.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

JABÁS, JEIBOUS, TOCOS E AFINS

Jabá é uma palavra comum no meio jornalístico. 
É aquele "brinde", "mimo" ou outro objeto que um repórter recebe para que a notícia seja divulgada com mais destaque em uma revista, jornal ou programa de rádio ou televisão. Um colega radialista diz que a palavra "jabá" tem um som desagradável aos ouvidos. O melhor é "jeibous" soa como uma palavra inglesa e ninguém sabe o que é.
A situação piora quando rola o "press trip", a famosa viagem proporcionada aos jornalistas de turismo para conhecer determinada cidade, spa ou hotel. Soube que em um press trip, um casalzinho de repórteres foi para "sua lua de mel". Quando o assessor perguntou quando iria sair a matéria, eles responderam na maior cara de pau: "Fale com o editor. Não somos da editoria de turismo". 
Conheço diversos penetras que se passam por jornalistas ou blogueiros para ir em coletivas (geralmente de beleza) para receber o famoso "jabá". Eles praticamente vivem disso. E acreditem, muitas assessorias de imprensa conhecem as famosas figurinhas carimbadas e para dar "quórum" no evento, deixam que os penetras entrem.
Alguns que não conseguem entrar pela porta da frente, porque a assessoria de imprensa barra, entram pelas portas do fundo porque conhecem os seguranças ou as recepcionistas. 
Inclusive, dividem a "jabalança" com os seguranças e recepcionistas como forma de agrado pela "entrada privilegiada".
Para melhorar a performance, eles, geralmente, carregam diversas marmitas para pegar as sobras do almoço, coquetel ou jantar. Com a conivência do mâitre do hotel ou do garçom.  
Em uma coletiva de imprensa no Grand Hyatt, em São Paulo, conheci uma repórter gaúcha. Quando vi o famoso penetra, comentei. "Nossa, chegou o jabazeiro". Ela respondeu: "O que é jabá? " Eu expliquei o que era o jabá e ela prontamente respondeu: "Mas no Rio Grande, jabá é toco. Lá, sempre perguntamos quando o pessoal volta de uma coletiva. E aí, você já recebeu um toco?"

Texto: Maria Lúcia Zanelli

fonte: