OBS de 22/09/2016: Queridos leitores, infelizmente o site Jornal |Jardins,teve um problema e as fot

Minha foto

Sou uma apaixonada pela vida, sem limites pra sonhar...
Sou determinada, e adoro as coisas simples da vida... Não gosto de nada mal resolvido, sou preto no branco,o cinza não me convence...Sou sincera e verdadeira e só gosto de me relacionar com gente assim...
Pessoas, que como eu, tem atitude pra mudar o que não está bom, não se conforma, nem se acomoda com o mais ou menos....Ou está bom, ou a gente faz ficar.
A FELICIDADE ESTA EM NOSSAS MÃOS E DE MAIS NINGUEM.
POR ISSO ACORDA MENINA.

domingo, 22 de dezembro de 2013

FATOS QUE VOCE NUNCA SOUBE SOBRE AS MÚSICAS DOS BEATLES

Fatos que talvez você nunca soube sobre as músicas dos Beatles 
GET BACK
O primeiro rascunho de "Get Back" incluía a frase "Não curta nenhum paquistanês tomando os trabalhos das pessoas", mas o verso foi cortado quando a banda percebeu que a letra, pretendia ser um comentário irônico sobre grupos de extrema-direita atacando imigrantes paquistaneses e seria interpretada como racismo. E eles estavam certos sobre isso: Anos mais tarde, o Jornal The Sun encontrou uma cópia do primeiro rascunho da música e acusou a banda de xenofobia.

CANT'BUY ME LOVE
O engenheiro de som dos Beatles, Norman Smith tocou em todas as partes o Chimbal em "Can´t Buy Me Love" depois de descobrir que a fita com as partes da percussão gravadas em Paris tinham uma ondulação quando ela chegou em Abbey Road, a qual perdeu os agudos da parte tocada por Ringo Starr. Smith gravou novas partes ele mesmo, mas os Beatles nunca souberam disso.

MARTA MY DEAR
Paul McCartney escreveu “Martha My Dear” inspirado em seu amado cão pastor de 3 anos de idade, mas é mais provável que as românticas letras eram realmente sobre sua eventual esposa Linda Eastman, a quem ele conheceu pouco antes de a canção ter sido escrita.

I AM THE WALRUS
O "egg man" em "I Am The Walrus" era uma referencia ao amigo de John Lennon, Eric Burdon, do The Animals. Ele deu a ele esse apelido depois que Burdon contou a ele uma história sobre um encontro sexual que ele teve com uma jamaicana que quebrou um ovo em sua barriga nua e lambeu a gema fora de seu corpo.

TWIST AND SHOUT
Quase todos os takes de "Please Please Me" foram gravados ao vivo em fita em um único dia - 11 de fevereiro de 1963 - e "Twist and Shout" foi a última música a ser gravada. A canção foi reservada para o final porque John Lennon estava se sentindo muito mal, e George Martin queria preservar sua voz durante o dia. No momento em que eles gravaram a música, Lennon estava com a garganta muito inflamada, mas chupou algumas pastilhas para tosse, tomou um pouco de leite, e tirou a camisa antes de se entregar a uma das melhores e mais roucas performances de sua carreira. "Minha voz não era a mesma durante um longo tempo depois", disse ele em 1976. "Toda vez que eu engolia raspava como se fosse uma lixa".

WHEN I'M SIXTY-FOUR
Paul escreveu "When I´m Sixty-Four" no piano de seu pai quando ele tinha 16 anos, anos antes de co-fundar os Beatles. A canção foi bastante tocada durante as apresentações da banda no Cavern Club, geralmente com apenas Paul ao piano para matar o tempo, caso algum dos amplificadores quebrasse.

DAY TRIPPER
Os programas de rádio alemães se mostraram relutantes para tocar "Day Tripper" porque a palavra "Tripper" é uma gíria alemã para gonorreia.

COME TOGETHER
"Come Together" foi concebida como uma canção de comício para a campanha de Timothy Leary, o guru do LSD, que se candidatava a governador da Califórnia, e tentava desbancar Ronald Reagan em 1969. O slogan da campanha de Leary era "Chegue junto, juntem-se à festa", sendo a palavra "festa" uma referência para a cultura das drogas. A campanha de Leary chegou ao fim quando ele foi preso por posse de drogas, o que liberou John Lennon para desenvolver a canção como uma música para os Beatles. Anos mais tarde Leary acusou Lennon de roubar sua ideia, mas Lennon manteve-se firme em afirmar que não lhe devia nada.

ISAW HER STAINDING THERE
Paul McCartney diz no livro Paul McCartney: Many Years From Now, que a linha de baixo de "I Saw Her Standing There" foi levantada a partir da canção de Chuck Berry chamada “I’m Talking About You" (Estou falando sobre você)". "Eu toquei exatamente as mesmas notas como fez ele e elas se encaixaram perfeitamente no nosso número ", disse ele. "Mesmo agora, quando eu conto isso às pessoas, acho que pouca gente acredita em mim. Contudo eu afirmo que um riff de baixo não tem que ser original.

SAVOY TRUFFLE
George Harrison escreveu "Savoy Truffle" como forma de piada sobre a obsessão de seu melhor amigo Eric Clapton com chocolate e doces. Clapton tinha um monte de problemas dentários em consequencia de estar sempre com açúcar no dente, daí o verso "Você vai ter que tê-los todos arrancados após o Savoy Truffle".

PENNY LANE
"Penny Lane" recebeu este nome depois da rua em Liverpool, que por sua vez foi nomeada em homenagem a James Penny, um rico comerciante de escravos do século 18, que era opositor à legislação abolicionista. Isso não era muito conhecido na época quando a canção foi escrita, por isso é apenas uma infeliz coincidência.

YELLOW SUBMARINE
Donavan cantor e compositor de sucessos dos anos 60, como "Season of the Witch" e "Mellow Yellow", contribuiu com o verso “Sky of blue, and sea of green, in our yellow submarine” em "Yellow Submarine". Ringo também acidentalmente cantou: “Every one of us has all we need” ao invés de “Every one of us has all he needs” e Paul abraçou o erro, mudando oficialmente o verso para a versão cantada pelo Ringo.

DOCTOR ROBERT
De acordo com Paul, John escreveu "Doctor Robert" sobre o Dr. Robert Freeman, o proprietário de uma clínica em Nova York, que receitou um coquetel de vitaminas B12 e grandes doses de anfetaminas para celebridades na cidade. Lembra daquele episódio de Mad Men? Igualzinho.

OH! DARLING
"Oh! Darling" foi a última música que John Lennon gravou com os Beatles. Seus últimos backing vocals foram gravados em 11 de Agosto de 1969.
*1 Paul compôs Oh! Darling, que iria entrar no Álbum Branco (como também aconteceu com Maybe I´m Amazed) mas não havia espaço mais no disco. Como as brigas eram intermináveis, Paul então regravou-a e lançou no álbum Abbey Road. "Reza a lenda" que Oh! Darling era uma canção de amor de Paul a John e se prestarmos atenção, podemos observar que há trechos em que Paul , completamente bêbado, grita : “Oh! Johnny, por favor, acredite em mim, quando você me falou que não precisava mais de mim, eu quase morri". Disseram que Paul não conseguia parar de chorar até Linda ir ter com ele no estúdio. (Este fato não tem comprovação, mas eu acredito!). Paul levou três semanas para terminar a canção e nenhum dos Beatles estavam no estúdio. Na montagem final, George Harrison usou o sentidor e John Lennon dedilhou a guitarra.
Oh! Darling é uma balada de rock ao estilo dos anos 50, lembrando Jackie Wilson.
Depois que Abbey Road já havia sido lançado, um dia John comentou: “Oh! Darling é uma música ótima de Paul, mas ele não a cantou muito bem. Sempre achei que eu teria feito melhor. Ela era mais a meu estilo”. 

I'SO TIRED
Sir Walter Raleigh, o explorador do século 16 que Lennon maldiçoou em "I`m So Tired", foi responsável pela introdução do tabaco na Inglaterra. Este é o seu modo de ventilar suas frustrações sobre ser viciado em fumar.

I'VE GOT A FEELING
Foi a última canção que Lennon e McCartney escreveram juntos, e a primeira colaboração deles de verdade desde que compuseram "A Day in the Life" três anos antes. Eles fundiram duas canções que tinham em andamento, a "I Got a Feeling" de McCartney e a "Everybody Had a Hard Year", de Lennon, quando perceberam que as músicas tinham tempos idênticos. Lennon também escreveu o riff no começo da canção terminada.

HEY JUDE
Paul McCartney pediu aos 36 músicos que trouxeram para executar a partitura orquestral de George Martin em "Hey Jude" para gravar outra faixa com todos eles cantando e aplaudindo junto com o "Na-na-na-na, hey Jude", mas um deles teria se recusado e saiu, dizendo: "Eu não vou bater palmas e cantar a canção horrível de Paul McCartney!"

THE END
Ringo teve que ser persuadido a gravar seu solo de bateria em "The End", pois ele odiava solos de bateria. Paul McCartney disse em uma entrevista em 1988 que quando Ringo se juntou à banda: "Nós lhe perguntamos:" E o que você acha de solos de bateria? ", tendo ele respondido: "Eu os odeio." Nós gritamos: "Ótimo! Nós te amamos!"

foto: divulgação

fonte:
 BuzzFeed (texto original em inglês).
Tradução: Lucinha Zanetti