OBS de 22/09/2016: Queridos leitores, infelizmente o site Jornal |Jardins,teve um problema e as fot

Minha foto

Sou uma apaixonada pela vida, sem limites pra sonhar...
Sou determinada, e adoro as coisas simples da vida... Não gosto de nada mal resolvido, sou preto no branco,o cinza não me convence...Sou sincera e verdadeira e só gosto de me relacionar com gente assim...
Pessoas, que como eu, tem atitude pra mudar o que não está bom, não se conforma, nem se acomoda com o mais ou menos....Ou está bom, ou a gente faz ficar.
A FELICIDADE ESTA EM NOSSAS MÃOS E DE MAIS NINGUEM.
POR ISSO ACORDA MENINA.

sábado, 21 de maio de 2016

LANÇAMENTO DA PESQUISA “CONSUMO EQUILIBRADO: UMA NOVA PERCEPÇÃO DO AÇÚCAR”.

Dia 19/05, o Jornal Jardins, esteve no restaurante Laquiche, em São Paulo, participando da Campanha Doce Equilíbrio, um projeto que tem por objetivo promover informação sobre o equilíbrio na alimentação e estilo de vida, além de equalizar o debate sobre o consumo de açúcar no Brasil e no mundo, teve o prazer de apresentar a imprensa e convidados, para uma manhã especial que marcou o lançamento da pesquisa “Consumo equilibrado: uma nova percepção sobre o açúcar”, realizada pelo Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, sobre as relações entre a saúde e o consumo de açúcar.

Durante o encontro, foi realizada uma roda de conversa com o responsável pela pesquisa, o Dr. Daniel Magnoni, cardiologista e diretor do Núcleo de Nutrição do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, a nutricionista Marcia Daskal, o endocrinologista e responsável pelo Grupo de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital das Clínicas da USP, Dr. Marcio Mancini, e a jornalista Lucia Helena de Oliveira, que discutiu os resultados da pesquisa e tirou dúvidas sobre alimentação, bem-estar e qualidade de vida, com todos os presentes.

 A pesquisa “Consumo equilibrado: uma nova percepção sobre o açúcar”, realizada pelo
Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia no âmbito da Campanha Doce Equilíbrio, aponta que
73% da população que consome açúcar e pratica atividade física está com peso adequado. O
resultado reforça o que diretrizes nutricionais já indicam no que diz respeito a não “vilanização”
de ingredientes e ao uso do açúcar dentro de um estilo de vida saudável.
De acordo com o Dr. Daniel Magnoni, cardiologista e chefe de nutrição do Instituto Dante
Pazzanese de Cardiologia, o açúcar é considerado prejudicial porque a população o enxerga
isoladamente, se esquecendo de um componente importante, que é o estilo de vida: “O
ingrediente só é negativo quando ingerido em grande quantidade e somado à uma vida de
excessos, estresses e sedentarismo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), até
10% das calorias totais diárias podem ser obtidas via açúcar”.

PESQUISA APONTA QUE O AÇÚCAR BRANCO É O MAIS CONSUMIDO DIARIAMENTE

46,5% dos entrevistados consomem o ingrediente açúcar de uma a três vezes na semana
Resultados da pesquisa “Consumo equilibrado: uma nova percepção sobre o açúcar”, realizada
pelo Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia no âmbito da Campanha Doce Equilíbrio, indicam que
71% dos entrevistados consomem açúcar habitualmente. Desse total, 85% preferem o tipo branco
para uso diário. Na sequência aparecem as opções pelo mascavo (3%) e demerara (1%). A versão
menos utilizada é a light (0,5%).
Independente da preferência, como descrito pelo Guia Alimentar Brasileiro, o ingrediente é
difundido na mesa do brasileiro e no mundo inteiro, utilizado em diversas preparações culinárias e
para adoçar variados tipos de bebidas.
Ainda de acordo com a pesquisa, em uma pergunta de múltipla escolha, 88% dos que consomem
açúcar afirmaram utilizar o ingrediente no chá ou café, 62% no preparo de sobremesas e bolos,
57% nos sucos e 42% no leite. Além disso, a maioria afirma ingerir doce (bolo, tortas etc) de uma a
três vezes por semana e 26% todos os dias.
Entre os alimentos açucarados mais consumidos estão os biscoitos e as bolachas (46%) e os bolos e
doces caseiros (45%). Os sucos de caixinha aparecem com 26,5% e, por último, os pães doces, com
cerca de 21% da preferência. Há uma parcela dos entrevistados (29%) que não come açúcar, sendo
que a minoria desse total faz uso de adoçantes para suprir a necessidade do sabor doce.
“Com esta pesquisa, tivemos mais uma comprovação de que o açúcar faz parte da rotina do
brasileiro de forma significativa. Muito tem se falado do ingrediente como o vilão da saúde, fato não
real. É preciso sempre lembrar do consumo equilibrado que, uma vez colocado em prática, não traz
nenhum risco”, explica o Dr. Daniel Magnoni, cardiologista e chefe de nutrição do Instituto Dante
Pazzanese de Cardiologia.

MULHERES CONSOMEM MAIS AÇÚCAR DO  QUE OS HOMENS

Pesquisa feita pelo Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia diz que das pessoas que
fazem uso do açúcar, 53,5% são mulheres;
Oscilação hormonal durante a TPM é determinante para a maior procura pelo produto
Realizada pelo Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, no âmbito da Campanha Doce
Equilíbrio, a pesquisa “Consumo equilibrado: uma nova percepção sobre o açúcar” identifica a
utilização do ingrediente em quantidade e percepção. Segundo os dados obtidos, mulheres
consomem mais açúcar do que homens, principalmente quando se trata de doces.
Entre as escolhas favoritas das entrevistadas, 45% preferem bolos, doces caseiros, biscoitos e
bolachas. Já o chocolate é a preferência de 37% das mulheres. O Dr. Daniel Magnoni,
cardiologista e chefe de nutrição do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, sugere que o
açúcar seja mais consumido pelo sexo feminino por questões adicionais, como a Tensão Pré-
Menstrual (TPM), funcionando conforme um “controlador” de emoções.
“A oscilação hormonal durante a TPM é um fator determinante para a maior procura pelo
açúcar. Durante o período que antecede a menstruação há uma queda no nível de serotonina,
neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar. Uma vez em queda, existe um
aumento da fome, principalmente pelos doces, na tentativa de regularizar este nível”, explica o
Dr. Magnoni.
Ainda de acordo com a pesquisa, 65% das entrevistadas disseram que usam o açúcar refinado
nas preparações alimentares. Já o menos utilizado é o light - somente 0,45% afirmam consumilo.
Estes dois tipos de açúcar, classificados como branco, são regularmente adicionados em
diversos produtos industrializados, assim como nas receitas de bolos e doces, café, chás, sucos
e leite.
A nutricionista Marcia Daskal, da Recomendo Assessoria em Nutrição, reforça que o ingrediente
pode fazer parte da dieta, mas precisa ser consumido com equilíbrio. “Já é sabido, e muitas
pessoas até acham repetitivo, que o sucesso está na ingestão balanceada do açúcar. Retirá-lo
da alimentação não é preciso e nem necessariamente mais saudável. Ao contrário, corre-se o
risco de aumentar a vontade de comê-lo, principalmente pela sensação do ‘proibido’. Para não
exagerar na dose, a mulher pode fazer um diário do que ingeriu na semana. Isso ajuda a
visualizar os momentos em que o corpo mais pede açúcar, como na TPM, por exemplo”,
observa.

MAIS INFORMAÇÕES SOBRE A PESQUISA:

71% dos entrevistados consomem açúcar habitualmente;
85% têm preferência pelo tipo branco;
88% afirmam adicionar açúcar ao café e ao chá;
26% ingerem alimentos açucarados todos os dias; 
73% da população que consume açúcar e pratica atividade física está
com o peso adequado
O ingrediente tem papel fundamental como fornecedor e repositor de energias,

O preparador físico Marcio Atalla observa a recomendação da OMS para que as pessoas sejam
ativas. “Para adultos entre 18 e 64 anos é preciso pelo menos 150 minutos de atividade por
semana, o que é aproximadamente 30 minutos por dia. Vale ressaltar que o movimento está
relacionado à medicina preventiva”, orienta Atalla.

PARTICIPARAM DO EVENTO:
Marcia Daskal – nutricionista e proprietária da Recomendo Assessoria em Nutrição;

Dr. Marcio Mancini – endocrinologista e responsável pelo Grupo de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital das Clínicas da USP,

Dr. Daniel Magnoni – cardiologista e nutrólogo do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. Ele também acaba de ocupar a diretoria de nutrição da Sociedade Brasileira de Cardiologia;

Marcio Atalla – preparador físico e apresentador

fotos: divulgação