OBS de 22/09/2016: Queridos leitores, infelizmente o site Jornal |Jardins,teve um problema e as fot

Minha foto

Sou uma apaixonada pela vida, sem limites pra sonhar...
Sou determinada, e adoro as coisas simples da vida... Não gosto de nada mal resolvido, sou preto no branco,o cinza não me convence...Sou sincera e verdadeira e só gosto de me relacionar com gente assim...
Pessoas, que como eu, tem atitude pra mudar o que não está bom, não se conforma, nem se acomoda com o mais ou menos....Ou está bom, ou a gente faz ficar.
A FELICIDADE ESTA EM NOSSAS MÃOS E DE MAIS NINGUEM.
POR ISSO ACORDA MENINA.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Empresas associadas à Abeiva mostram desempenho de vendas em abril

Mudanças no processo de importação não assustam entidade
Associação das importadoras, Abeiva afirma “confiar no bom senso do governo”


José Luiz Gandini, presidente da Abeiva e da Kia no Brasil

Após as recentes mudanças no processo de importação, era de se esperar que a coletiva de imprensa da Abeiva, nesta quarta-feira (18/05) fosse repleta de críticas ao governo. Porém o tom da entidade que reúne as montadoras que não possuem fábrica no Brasil era de tranquilidade. “Não revisaremos nossa meta de vendas nem haverá aumento de preços”, afirmou José Luiz Gandini, presidente da Abeiva e da Kia no Brasil.

Paulo Kakinoff, presidente da Audi. 
 A posição é endossada por Paulo Kakinoff, presidente da Audi. “Não sofreremos conseqüências a curto prazo”, destacou.
Segundo o executivo, o cancelamento das licenças automáticas de importação só retorna os procedimentos existentes até 2001. “Agora apenas precisaremos acrescentar o tempo da emissão da licença, que demora em média 15 dias, à nossa logística”, explicou Kakinoff. Contudo, segundo as regras da Organização Mundial do Comércio, o documento deve ser emitido em um prazo de, no máximo, 60 dias.
Fora dos microfones executivos afirmavam que o tempo limite para emitir os documentos seria usado apenas para os carros procedentes da Argentina. “Essa medida foi uma retaliação contra as medidas protecionistas feitas pelo governo Kirschner desde o início do ano”, destacou um alto executivo sob a condição de anonimato. “Mas essa restrição não deverá ser mantida por muito tempo”, concluiu.

Entenda o caso
Desde a última quarta-feira (11) o governo cancelou a emissão das licenças automáticas para importação. Até então, os carros requeriam apenas a documentação do Ibama para serem enviados ao Brasil, enquanto a licença era emitida simultaneamente. Agora, cada fabricante precisa solicitar ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior a documentação, que pode demorar até 60 dias para ser emitida.

Apesar da decisão não afetar lotes em trânsito para o Brasil, a mudança surpreendeu as fabricantes pela rapidez com que foi feita. “Nenhuma licença foi emitida até agora e só foi definido o funcionário responsável pela tarefa no governo nesta semana”, disse Gandini, que também negou os rumores sobre impactos em outros setores. “A restrição será somente para carros completos, e não para autopeças”.

fotos: divulgação
texto:Rodrigo Ribeiro

fonte:http://www.portalvimave.com.br/portalvimave/NoticiaDetalhe.aspx?codNoticia=45494